Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009

Mar!

 

(Mar Revolto, da autoria de José Santinho) 

 

Mar!

Tinhas um nome que ninguém temia:

Era um campo macio de lavrar

Ou qualquer sugestão que apetecia...

 

Mar!

Tinhas um choro de quem sofre tanto

Que não pode calar-se, nem gritar,

Nem aumentar nem sufocar o pranto...

 

Mar!

Fomos então a ti cheios de amor!

E o fingido lameiro, a soluçar,

Afogava o arado e o lavrador!

 

Mar!

Enganosa sereia louca e triste!

Foste tu quem nos veio namorar,

E foste tu depois que nos traíste!

 

Mar!

E quando terá fim o sofrimento!

E quando deixará de nos tentar

O teu encantamento!

 

Miguel Torga em Poemas Ibéricos - 1965

 

publicado por Lagash às 16:26
link do post | comentar | favorito
Sábado, 25 de Outubro de 2008

O Mar não conhece o Mar

 

(foto retirada da internet - deconheço o autor) 

 

o mar não conhece as profundidades

nenhum azul nem conhece as suas ondas

o mar não é soberbo nem

manso nem amargo

não conhece o sabor do vento nem da espuma

o mar não vê nenhum sol

nem terra nem seixos

O mar não ama o céu

nem a lua

o mar não se conhece

 

Eva Christina Zeller

(Tradução de Maria Teresa Dias Furtado)

 

publicado por Lagash às 16:08
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Agosto de 2008

Verão

 

 

Droga-nos o Verão com o sol e a luz

Traz-nos energia de dentro e cor

Dá-nos a força que queremos e amor

Azul em ondas do calor que produz

 

Abre as portas à praia e ao mar e corpos nus

Beija a nossa pele e sabe a licor

Dança ao som de um compasso sedutor

Embebeda o incauto, e à beleza faz jus

 

Gosto de o ver. Por vezes não quero…

Outras adoro, por tanto não o ter

No frio desejo, no calor desespero…

 

Trai-nos a todos, porque não diz que tem fim!

Vem calmo, entra à força e abandona o mundo

Visita, sem favor pedir e vai-se… assim…

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:27
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

Brisa

 

 

Suave brisa que me tocas a cara

E afagas o cabelo para o lado,

Fazes esquecer o quente do Verão,

Refrescas e revigoras levemente…

 

Beijas-me a face e provocas-me,

Sinto a tua massagem total,

Envolve-me o corpo e plano

Pelo ar, como um pássaro.

 

Mudas a direcção e brincas…

Sorrio para ti – és apenas vento;

No entanto, és mais do que eu,

És tudo o que de etéreo pode ser real.

 

Levanto-me e estou bem…

O mar está à minha frente,

Tenho-o na mão e é meu.

Estou só, mas estou comigo.

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:15
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

Nocturno

 

 

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a Lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento...

Como um canto longínquo – triste e lento –
Que voga e subtilmente se insinua,
Sobre o meu coração, que tumultua,
Tu vertes pouco a pouco o esquecimento...

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando, entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Génio da Noite, e mais ninguém!

 

Antero de Quental

 

publicado por Lagash às 16:27
link do post | comentar | favorito
Domingo, 13 de Julho de 2008

Viagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aparelhei o barco da ilusão

 

E reforcei a fé de marinheiro.

Era longe o meu sonho, e traiçoeiro

O mar…

(Só nos é concedida

Esta vida

Que temos;

E é nela que é preciso

Procurar

O velho paraíso

Que perdemos).

Prestes, larguei a vela

E disse adeus ao cais, à paz tolhida.

Desmentida,

A revolta imensidão

Transforma dia a dia a embarcação

Numa errante e alada sepultura…

Mas corto as ondas sem desanimar.

Em qualquer aventura,

O que importa é partir, não é chegar.

 

Miguel Torga

 

 

 

publicado por Lagash às 17:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 11 de Julho de 2008

Eu sou a concha das praias

Eu sou a concha das praias
Que anda batida da onda
E, de vaga em outra vaga,
Não tem aonde se esconda.
Mas se um menino, da areia
A colher e a for guardar
No seio... ali adormece
E é ali seu descansar.
Pois sou a concha da praia
Que anda batida da onda...
Sê tu esse seio infante,
Aonde a triste se esconda!
 

Eu sou quem vaga perdido,
Sob o sol, com passo incerto,
Contando por suas dores
As areias do deserto.
Mas se um palmar, no horizonte,
Se vê, súbito, surgir,
Tem ali a tenda e a fonte
E é ali o seu dormir.
Pois sou quem vaga perdido,
Sob o sol, com passo incerto...
Sê tu sombra de palmeira,
Sê-me tenda no deserto!
 
Sou o peito sequioso
E o viúvo coração,
Que em vão chama, em vão procura
Outro peito, seu irmão.
Mas se avista, um dia, a alma
Por quem andou a chamar,
Tem ali ninho e ventura
E é ali o seu amar.
Pois sou quem anda chorando
À procura dum irmão...
Sê tu a alma que me fale,
Inda uma hora ao coração!

  

 

 

Antero de Quental

 

publicado por Lagash às 20:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Bebido o luar

Reveses

Luta

Mar, mar e mar

Fogo posto

Onda a onda

O mundo é grande

Os tempos - Tormenta

Invenção

Nocturno

Paisagem

Trajecto

Adeus Madeira

Madeira jardim

Mar Português

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

blogs SAPO

subscrever feeds