Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

Amor, pois que é palavra essencial

 

(Foto de Oleg Kosirev) 

 

Amor - pois que é palavra essencial

comece esta canção e toda a envolva.

Amor guie o meu verso, e enquanto o guia,

reúna alma e desejo, membro e vulva.

 

Quem ousará dizer que ele é só alma?

Quem não sente no corpo a alma expandir-se

até desabrochar em puro grito

de orgasmo, num instante de infinito?

 

O corpo noutro corpo entrelaçado,

fundido, dissolvido, volta à origem

dos seres, que Platão viu completados:

é um, perfeito em dois; são dois em um.

 

Integração na cama ou já no cosmo?

Onde termina o quarto e chega aos astros?

Que força em nossos flancos nos transporta

a essa extrema região, etérea, eterna?

 

Ao delicioso toque do clitóris,

já tudo se transforma, num relâmpago.

Em pequenino ponto desse corpo,

a fonte, o fogo, o mel se concentraram.

 

Vai a penetração rompendo nuvens

e devassando sóis tão fulgurantes

que nunca a vista humana os suportara,

mas, varado de luz, o coito segue.

 

E prossegue e se espraia de tal sorte

que, além de nós, além da própria vida,

como activa abstracção que se faz carne,

a ideia de gozar está gozando.

 

E num sofrer de gozo entre palavras,

menos que isto, sons, arquejos, ais,

um só espasmo em nós atinge o climax:

é quando o amor morre de amor, divino.

 

Quantas vezes morremos um no outro,

no húmido subterrâneo da vagina,

nessa morte mais suave do que o sono:

a pausa dos sentidos, satisfeita.

 

Então a paz se instaura. A paz dos deuses,

estendidos na cama, qual estátuas

vestidas de suor, agradecendo

o que a um deus acrescenta o amor terrestre.

 

Carlos Drummond de Andrade

 

publicado por Lagash às 16:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

Traição

 

(foto retirada de http://semadocante.blogs.sapo.pt/ - desconheço o autor) 

 

Viajo até o ponto mais arrepiante da tua nuca

Percebo o endurecimento do seu corpo

Teus seios

Teus braços

Tua boca

Arrepios

Calafrios

Minha mão decorando teus poros

A ponto de contá-los

Um a um

Conheço o gosto de cada centímetro

Beijos

Cheiros

Misturas

Sinto tremores

Amores

Fisgadas

Calafrios

Minha mão decorando teus pelos

Conheço-os um a um

Cobertura delicada

Da meiga e rija vulva

Que sabe dizer o meu nome

Que me beija

Já não sei onde fica a sua boca

Língua

Mistura

Carnes em estado de fusão

Corpos em estado de tesão

Gozo

Gritos

Beijos

Mentiras

Promessas falsas

Traição

 

Silvio Helder Lencioni Senne

 

publicado por Lagash às 16:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

Orgasmo

 

(foto retirada da internet - desconheço o autor) 

 

Segura o mastro e navega-me…

Abre-te para o mundo e goza…

Beija-me o pescoço, protege-me.

Olha os meus olhos, libidinosa…

 

Enterra-te forte bem no fundo

Onde ninguém conseguirá desterrar

Cerra os dentes e murmura num segundo,

Queres andar sem tocar o chão, pelo ar…

 

Está quase, e queres mais,

Abres as mãos e os olhos,

Pedes, sim, contraís os abdominais…

 

Sigo-te os sinais, e dou-te o que é meu,

Abraço-te o tronco e retesas

Arqueias as costas e estás no céu…

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:11
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 23 de Novembro de 2008

Ninho

 

(pintura de Gustave Coubert - A origem do mundo - 1866)

 

Dá-me o teu ninho,

Deixa-me aninhar um bocadinho,

Sentir o cheirinho

Beber do teu vinho.

 

Quero na portagem passar,

E no abrigo, em ti, entrar,

Com prazer, tua pele, quero suar,

E da tua carne saborear.

 

Leva este teu amigo,

Para a cama contigo,

Que de ti é tão parecido,

Abraça o amor comigo.

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:17
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 4 de Outubro de 2008

Amar o teu amor

 

 

Com um beijo começa a minha senda,

Vou contigo nesta viagem deleitosa…

Sabes o que quero e vens com um sorriso,

Apalpo e toco o que a imaginação desvenda,

Respiro a tua escura furna amistosa,

Apertas, agarras, sabes onde preciso…

 

O meu corpo bebe o teu seio

Delicia o sabor dos meus lábios

Lubrifica os olhos da minha mente

Abrem-se os corpos pelo seu meio

Os sexos unem-se, são sábios…

Tocam-se gozando o tempo presente.

 

Habito no abrigo da tua tenda de mel,

Que é gente disfarçada de lobo,

E que sabe, com toda a mestria,

Deleitar quem te apraz o anel…

Penetro-o, e grunho como um bobo…

Entro e amo como um deus grego faria.

 

Gritas de amor, perdida no alto,

Voas no céu, percorres o mato,

Nadas em mim, molhas o leito,

Arranhas a pele que tomas de assalto…

Encontras-te em mim, e no imediato…

Franzes os olhos, beijas o meu peito…

 

Como me adora o teu quente abraço,

Tal como te quero o pescoço,

E chupo com avidez acendido…

E sorvo loucamente o teu cansaço,

Dás-te completamente e sem esforço,

Culmino, e consagro-te o meu líquido…

 

Em beijos, delicio a paixão,

Relaxo suavemente e com estima,

Carinho, uma lágrima, no teu rosto…

Que corre até ao coração.

E toca por dentro e por cima,

Do amor que no peito foi posto.

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

O insecto

 

 

Das tuas ancas aos teus pés
quero fazer uma longa viagem.

 

Sou mais pequeno que um insecto.
Percorro estas colinas,
são da cor da aveia,
têm trilhos estreitos
que só eu conheço,
centímetros queimados,
pálidas perspectivas.
Há aqui um monte.
Nunca dele sairei.
Oh que musgo gigante!
E uma cratera, uma rosa
de fogo humedecido!

 

Pelas tuas pernas desço
tecendo uma espiral
ou adormecendo na viagem
e alcanço os teus joelhos
duma dureza redonda
como os ásperos cumes
dum claro continente.

 

Para teus pés resvalo
para as oito aberturas
dos teus dedos agudos,
lentos, peninsulares,
e deles para o vazio
do lençol branco
caio, procurando cego
e faminto teu contorno
de vaso escaldante!

 

Pablo Neruda

 

publicado por Lagash às 16:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

O que é o sexo afinal?

 

 

 

O que é o sexo afinal?

Actividade reprodutora normal?

O culminar do impulso sexual?

Sensação hipotálmica genial?

Simplesmente o genital?

 

Que coisa é essa que motiva prevaricadores?

Que impera sobre a mente de ditadores?

Tem mais poder que os imperadores?

Torna os rectos em infames transgressores?

E leva à loucura o mais brilhante dos doutores?

 

Quem terá inventado esse acto pecaminoso?

Quem foi que criou esse acto religioso?

Que fez esse prazer tão gostoso?

Que nos abraça nesse bordel amistoso?

E nos quer bem, para procriação em ambiente forçoso?

 

Que é o falo, qual musculo esponjoso fatal?

Desejadas bolas em saco transportador animal?

Entre folhos cor-de-rosa húmido e de forma ideal?

Que é o ponto que parece ser para nós tão vital?

Que são os pelos que dão cor e cobrem o genital?

 

Que coisa é essa que se faz mesmo com dor?

Que se dá só a quem se quer, sem ser favor?

Que se forçado, é violação, é errado e um horror?

E se faz por gosto e sem querer ter um louvor?

E que serve para pagar o nosso amor?

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 12:31
link do post | comentar | favorito
|

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Amor, pois que é palavra ...

Traição

Orgasmo

Ninho

Amar o teu amor

O insecto

O que é o sexo afinal?

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds