Segunda-feira, 5 de Outubro de 2009

República!!

Às 10 horas da manhã do dia 5 de Outubro de 1910…

publicado por Lagash às 16:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

Poema XXII de Elementos

 

(Dolmen de Ballykeel na Irlanda) 

 

Ah! Não me enterrem vivo!

Não me fechem num caixão com o silêncio.

Ao lado do Grito.

Quando eu morrer

estendam-me numa rocha nua.

E deixem-me ser devorado pelas pedras.

Pelos bicos das nuvens.

Morte é liberdade.

Ar.

 

José Gomes Ferreira

 

publicado por Lagash às 16:15
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Agosto de 2009

Quem disse que não temos talentos? #15 Antes & Depois

 

 

Quem te apurou?

Como os anos passam por nós

É ver o tempo deixar-nos sós

E esperamos

 

Que justifiquem ou que nasça, pelo menos, alguma razão

Ao motivo pelo qual vai cedendo o corpo então

Aos anos

 

Sinto mais do que preciso

Perco a voz ganho juízo

E quem fui eu não sou mais

Mudam gostos ganho peso

Perco medos e cabelo

E quem fui eu não sou mais

 

Algo melhorou!

Ficámos sábios… pelo menos aos olhos dos outros

Ser responsável compete a poucos

A bem poucos....

Não dependemos, daqui para a frente, de ninguém

Quer dizer… O sexo agora implica quase sempre alguém

E ainda bem!!!!

 

Sinto mais do que preciso

Perco voz ganho juízo

E quem fui eu não sou mais

Mudam gostos ganho peso

Perco medos e cabelo

E quem fui eu não sou mais

 

Não choro as partes que estão para trás

 

Não concluo

O meu tempo não é uma canção

Que tem quase sempre rima certa, métrica e refrão

E esta... acabou.

 

 

Klepht

(Já é a terceira música que ‘posto' no meu ‘talentos’ destes meninos. Sei que estão por vossa conta – e não estamos todos? – e isso é sempre difícil. Espero sinceramente que continuem e que nos espantem com o vosso talento. Obrigado. Mário L. Soares)

 

publicado por Lagash às 16:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 21 de Julho de 2009

Oportunidade perdida

 

 

Confusões, repreensões, submissões

e outras coisas acabadas em “ões”,

com as quais estou sinceramente

a ficar farto e completamente!

 

Então quer dizer que é assim?

Pois então que seja, está bom para mim! …

Não quero que a minha vontade se faça,

pois por mim o tal orgulho passa.

 

Acho que se perdeu uma oportunidade,

de nos termos aos dois, como um,

com amor, carinho e a verdade.

 

Perdemos os dois, e o futuro por bem…

ganhámos no fim, pela liberdade.

E cá por dentro, no fundo, aprendemos também.

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:12
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 25 de Abril de 2009

Portugal Ressuscitado

 

 

Depois da fome, da guerra

da prisão e da tortura

vi abrir-se a minha terra

como um cravo de ternura.

 

Vi nas ruas da cidade

o coração do meu povo

gaivota da liberdade

voando num Tejo novo.

 

Agora o povo unido

nunca mais será vencido

nunca mais será vencido

 

Vi nas bocas vi nos olhos

nos braços nas mãos acesas

cravos vermelhos aos molhos

rosas livres portuguesas.

 

Vi as portas da prisão

abertas de par em par

vi passar a procissão

do meu país a cantar.

 

Agora o povo unido

nunca mais será vencido

nunca mais será vencido

 

Nunca mais nos curvaremos

às armas da repressão

somos a força que temos

a pulsar no coração.

 

Enquanto nos mantivermos

todos juntos lado a lado

somos a glória de sermos

Portugal ressuscitado.

 

Agora o povo unido

nunca mais será vencido

nunca mais será vencido.

 

José Carlos Ary dos Santos

Caxias, 26 de Abril de 1974

 

 

publicado por Lagash às 16:08
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

Bica e pastel de nata!

 

 

Uma torrada e um sumo de laranja, por favor…

Uma vida e todo o seu sentido, bem fresco…

Um galão e uma tosta mista, faz favor…

A tua mão e toda a tua liberdade, bem quente…

 

Um fino e uma bola de Berlim p’ro miúdo…

Um vício e um tormento diário, para todos…

Um prego no pão e um bagaço, para o balcão!

Anos de vida sem passado nem futuro!

 

Uma ginjinha e um croissant aquecido

Uma nikita e uma broa de mel!

A cabeça de João Baptista numa bandeja!

 

Uma bifana com queijo e uma bica cheia…

Uma italiana e um pastel de bacalhau!

O meu coração cortado às postas!

 

Mário L. Soares

publicado por Lagash às 16:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

Aniversário dos 60 anos da Proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Preâmbulo

 

Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;

 

Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos humanos conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração humanos;

 

Considerando que é essencial a protecção dos direitos humanos através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;

 

Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;

 

Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais humanos, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;

 

Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos humanos e das liberdades fundamentais;

 

Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:

 

A Assembleia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.

 

Artigo 1°

 

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

 

Artigo 2°

 

Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação.

 

Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.

 

Artigo 3°

 

Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

 

Artigo 4°

 

Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos.

 

Artigo 5°

 

Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

 

Artigo 6°

 

Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento, em todos os lugares, da sua personalidade jurídica.

 

Artigo 7°

 

Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual proteção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

 

Artigo 8°

 

Toda a pessoa tem direito a recurso efetivo para as jurisdições nacionais competentes contra os actos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.

 

Artigo 9°

 

Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.

 

Artigo 10°

 

Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida.

 

Artigo 11°

 

1.            Toda a pessoa acusada de um ato delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas.

 

2.            Ninguém será condenado por ações ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam acto delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o ato delituoso foi cometido.

 

Artigo 12°

 

Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a protecção da lei.

 

Artigo 13°

 

1.            Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado.

 

2.            Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.

 

Artigo 14°

 

1.            Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países.

 

2.            Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por atividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas.

 

Artigo 15°

 

1.            Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.

 

2.            Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.

 

Artigo 16°

 

1.            A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais.

 

2.            O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos.

 

3.            A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta e do Estado.

 

Artigo 17°

 

1.            Toda a pessoa, individual ou colectivamente, tem direito à propriedade.

 

2.            Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.

 

Artigo 18°

 

Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.

 

Artigo 19°

 

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.

 

Artigo 20°

 

1.            Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas.

 

2.            Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

 

Artigo 21°

 

1.            Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direcção dos negócios públicos do seu país, quer directamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos.

 

2.            Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicas do seu país.

 

3.            A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos: e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.

 

Artigo 22°

 

Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.

 

Artigo 23°

 

1.            Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.

 

2.            Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.

 

3.            Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.

 

4.            Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para defesa dos seus interesses.

 

Artigo 24°

 

Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas.

 

Artigo 25°

 

1.            Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.

 

2.            A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, gozam da mesma protecção social.

 

Artigo 26°

 

1.            Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.

 

2.            A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos humanos e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.

 

3.            Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.

 

Artigo 27°

 

1.            Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.

 

2.            Todos têm direito à protecção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.

 

Artigo 28°

 

Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efectivos os direitos e as liberdades enunciadas na presente Declaração.

 

Artigo 29°

 

1.            O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.

 

2.            No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática.

 

3.            Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e aos princípios das Nações Unidas.

 

Artigo 30°

 

Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma actividade ou de praticar algum acto destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.

publicado por Lagash às 10:07
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Outubro de 2008

República!

Ás 10 horas da manhã de 5 de Outubro de 1910...

 

 

publicado por Lagash às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Julho de 2008

Liberdade...

 

 

Ai que prazer

Não cumprir um dever,

Ter um livro para ler

E não fazer !

Ler é maçada,

Estudar é nada.

Sol doira

Sem literatura

O rio corre, bem ou mal,

Sem edição original.

E a brisa, essa,

De tão naturalmente matinal,

Como o tempo não tem pressa...

 

Livros são papéis pintados com tinta.

Estudar é uma coisa em que está indistinta

A distinção entre nada e coisa nenhuma.

 

Quanto é melhor, quando há bruma,

Esperar por D.Sebastião,

Quer venha ou não !

 

Grande é a poesia, a bondade e as danças...

Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca

Só quando, em vez de criar, seca.

 

Mais que isto

É Jesus Cristo,

Que não sabia nada de finanças

Nem consta que tivesse biblioteca...

 

Fernando Pessoa (lido por João Villaret)

publicado por Lagash às 18:41
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

Liberdade a Ingrid Betancourt finalmente!

 

 

 

 

Ingrid Betancourt abraçou hoje com emoção os seus filhos Melanie e Lorenzo. A liberdade ganhou pontos hoje. Fez-se justiça (e sem violência). Tardou 6 anos, mas mais vale tarde que nunca.

 

 

 

Não esquecer que há muitos que como ela estão nas mãos de grupos terroristas e o seu nome permanece incógnito… e que muitas vezes os grupos não são reconhecidamente “terroristas”.

 

Lembremos que se ganha batalhas mas a guerra contra a opressão tem de continuar.

 

Aproveite-se o mediatismo da situação para lembrar que a luta contra a droga e o terrorismo deveria começar na origem como um cancro. Deve-se nesta altura também reprovar os grupos que se escondem atrás de ideais para outro tipo de objectivos como é o caso das FARC. A vida humana e os direitos humanos sobrepõem-se a qualquer ideal.

 

Lembremos também que embora o governo Colombiano esteja do lado dos “bonzinhos”, estes continuam a pactuar com os cartéis da droga colombianos. Estão lá! Todos sabem onde! Não há intervenção?

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 19:10
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Maio de 2008

1º de Maio

(foto: 1º de Maio 1974) 
 
 
Há Maio em cada rosto
em cada olhar
que passa pelo asfalto da Avenida
Há Maio em cada braço
que se ergue
há Maio em cada corpo em cada vida
 
Há Maio em cada voz
que se levanta
há Maio em cada punho que se estende
há Maio em cada passo
que se anda
há Maio em cada cravo que se vende
 
Há Maio em cada verso
que se canta
há Maio em cada uma das canções
há Maio que se sente
e contagia
no sorriso feliz das multidões
 
Há Maio nas bandeiras
que flutuam
e mancham de vermelho
o céu de anil
Há Maio de certeza
em cada peito
que sabe respirar o ar de Abril
 
Mas há Maio sobretudo
no poema
que se escreve sem ler o dicionário
porque Maio há-de ser
mais do que um grito
porque Maio é ainda necessário
 
Canto Maio e se canto
logo existo
que o meu canto de Maio é solidário
com o canto que escuto
e em que medito
e que sai da boca do operário
 
Fernando Peixoto
publicado por Lagash às 12:03
link do post | comentar | favorito
|

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

República!!

Poema XXII de Elementos

Quem disse que não temos ...

Oportunidade perdida

Portugal Ressuscitado

Bica e pastel de nata!

Aniversário dos 60 anos d...

República!

Liberdade...

Liberdade a Ingrid Betanc...

1º de Maio

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds