Domingo, 6 de Julho de 2008

Filosofia existencial caseira

 

(foto do espectáculo "História do Brasil segundo Ernesto Varela")

 

O que somos? Para onde vamos? Porque existimos?

 

Nunca ninguém se perguntou isto? Especialmente – Porque existimos? Qual a razão de ser de estar aqui? Em frente a este computador ou de acordar amanhã, ir dormir hoje, fazer sexo ou ir comer comida japonesa?

 

É o existir que aqui se questiona. Fala-se de objectivos pessoais. De lenda pessoal (li num autor brasileiro que muito admiro – Paulo Coelho). Fala-se na perpetuação da espécie (cientificamente falando). Fala-se da felicidade, a nossa e a dos que nos rodeiam. Fala-se da natureza como a mãe de todas as coisas e sistema complexo e funcional a preservar e ser esse o nosso objectivo como seres racionais (dizem os ambientalistas). Fala-se do inferno e do paraíso ou céu, de Deus e do diabo, de todas as formas religiosas de adoração a divindades (leia-se seres sobre-humanos) monoteístas ou politeístas – e cada uma das ditas terá a sua razão de ser e propósito de vida.

 

É difícil objectivar a resposta a estas questões quando existem tantas pontas soltas e tantos pontos por onde começar e que no fundo não há certezas de nada e outras tantas certezas de absolutamente tudo certamente.

 

Pode-se quanto muito tentar dizer o que nos vai na alma (ui… expressão puramente retórica) e divagar sobre a nossa própria opinião sobre estas coisas e sobre o que pensamos sobre elas. Tendo consciência de que ao o fazermos estamos a ser influenciados pelas nossas vivências, educação, país onde vivemos e/ou nascemos, nível escolar e cultural e até mesmo o próprio quociente de inteligência do opinante. Com tudo isto, apenas quero dizer que esta é a minha resposta a esta questão.

 

Pois, nós, seres humanos, somos formados por matéria orgânica, que se decompõe e a pó se reduz, e que é uma máquina perfeita com mecanismos complexos de difícil estudo e manutenção. Mas de uma beleza impressionante. Mas isto, claro, tal como toda a natureza e a relação inter-espécies que por si só revela um mecanismo de sintonia absolutamente espantoso. Fantástico é verificarmos e descobrirmos a proporção áurea ou o número de ouro (Phi = 1,618) e verificar que existe uma relação matemática que reina sobre todas as coisas. Nesta análise metafísica podemos ver coisas que nos impelem sem dúvida para o divino, o sobre humano e o transcendental. Os casos mais evidentes (para além do nosso próprio corpo) são a espiral dos girassóis, as ondas do mar ou um caracol.

  

 

 

Mesmo o ser humano (impelido sabe-se lá pelo quê) na sua história utilizou e utiliza o Phi, desde os capitéis, ao Parthenon, passando pelas pirâmides do Egipto ou a proporção entre largura e comprimento dos cartões de crédito…

 

 

 (dividir 1 por 3 = 1,618)

 

“Quando examinamos profundamente o padrão de uma flor, uma concha ou o balanço de um pêndulo, descobrimos aí a perfeição, uma ordenação incrível, que desperta em nós o maravilhoso que experimentávamos quando crianças. Algo infinitamente maior do que nós se revela e percebemos que o ilimitado emerge dos limites, dos padrões bem definidos”, diz György Doczi (arquitecto húngaro) no livro O Poder dos Limites (ed. Mercuryo).

 

Sem querer provar a existência de um ser superior que define a ordem das coisas (ou definiu para o outros), é certo que há ou houve ordem no universo por nós conhecido, particularmente na natureza. Ordem que se discorda da origem, o que por si só merece análise independente.

 

Sabemos então que não funcionamos no caos ou desordem e que pode (ou não) existir algo superior e extra-humano que criou essa ordem. Será então que, sendo essa ordem permanente, geral e contínua, tanto no tempo como no espaço, não estará também já delineado o nosso futuro? – Há quem lhe chame destino, ou fatum.

 

Nesse caso, olhando as coisas neste prisma, é simples, todos temos o nosso destino e papel numa engrenagem, bem montada ou auto montada / gerida. Não havendo possibilidade de alteração, já que, a “ordem” assim o designa. E que esta ordem é comandada por uma omnipotente força que prevalece sobre nós. Estamos escritos, como se de um livro fossemos personagens.

 

Demasiado simples…

 

A continuidade da espécie, faz sentido, em última análise pois como animais que somos, temos necessidades que no geral convergem para a perpetuação da espécie e apuramento da mesma, tal como o fazem os animais ao escolher o(a) melhor parceiro(a) para garantir os melhores genes à sua descendência. O que é que os impele?

 

As baleias que vão anualmente acasalar ao mesmo local, os salmões que sobem o rio para acasalar e morrer, as tartarugas que vão para o mar quando nascem e voltam para aquela mesma praia para repetir o que os seus progenitores fizeram. Tudo isto sem guião, texto, ensinamento ou curso de formação.

 

Seremos como os animais? Estamos aqui para procriar e perpetuarmos a nossa existência dessa forma?

 

A lenda pessoal (segundo Paulo Coelho, e na minha interpretação) é o que cada um tem por seu objectivo de vida. É aquilo que cada um deseja no inicio da sua juventude, e quando sentimos que tudo é possível. Nada nos pode parar. É aquela sensação de querer conquistar o mundo (o nosso mundo) convertida em força para realizar o que se sonha.

 

Temos sem dúvida um sentido na nossa vida. Estamos cá com uma intenção, um propósito. Temos (cada um de nós) de descobrir qual é o nosso propósito. Pode, por exemplo, ser, dizer uma palavra a outra pessoa despreocupadamente numa tarde de Domingo num café. E que essa palavra conspire nessa pessoa para a lenda dessa pessoa, e que todo o encadeamento de lendas pessoais forme um quadro lindíssimo. O que precisamos é de uma grande angular para poder observar, perceber e apreciar esse quadro.

  

 

 

 

Precisamos também de um microscópio para podermos ver a nossa parte, o nosso pequeno mundo e razão de existir. E sabermos que parte temos nós na engrenagem. Para isso temos que conhecer-nos bem. Saber quem somos e o que valemos (mesmo parecendo inúteis). Depois de nos conhecermos saberemos o que fazer. Tudo girará aparentemente à nossa volta para que o consigamos realizar. A partir daí tudo se torna mais claro no mundo e as cores farão outro sentido.

 

O mundo terá outra maneira de nos olhar e nós a ele. A calma chegará aos nossos corações e seremos serenos. Sabemos o que queremos e quem somos, cada um por si só e todos no geral. Sabendo-o teremos e sentiremos o poder. O nosso poder.

 

A seguir é fácil… é só juntar os ingredientes e esperar 20 minutos. A lenda pessoal ficará pronta e teremos a vida toda para a realizar. Nunca nos neguemos a ela e ela não se negará a nós.

 

Querendo, podemos tudo – tudo mesmo – nada é impossível.

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 22:16
link do post | comentar | favorito
|

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pausa

Hora Nostálgica #33 - Eve...

Acordar

Amor, pois que é palavra ...

Sol

Perdoa-me

Hora Nostálgica #32 - Boh...

Morte

Futuro

Bebido o luar

A meu favor

Viverei

Hora Nostálgica # 31 - Dr...

Reveses

Momentos etéreos em conte...

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds