Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

Lágrima

 

 

Chorar para quê?

Que vale o sal da tua lágrima?

Vale o que deste por ela?

Deste o que valia o sal?

 

Partes do fundo do que não és,

Andas por caminhos que te são favoráveis

E conheces. Tudo é belo e fantástico!

És um verdadeiro espectáculo…

 

Controlas tudo à tua volta,

E marchas, sem piedade sobre tudo…

Vale tudo. És cauteloso, no entanto.

Queres que seja tudo perfeito.

 

Nada falha, e consegues o que procuras.

Estás mais que habituado a ganhar,

Sabes o que vales e o que queres,

Mestre. Sabe-lo bem.

 

Depois… olhas à tua volta…

E começam a surgir os problemas.

Deturpações, alterações e confusões…

Nada parece ser aquilo que querias

 

Tentas mudar o que te circunda

Lutas para alterar o imutável

Sofres e fazes sofrer

O que é que se passou afinal?

 

O que é que falhou?

Foste tu? Foi alguma coisa na tua batalha?

Enganaste-te no que querias?

Foste tu enganado sem querer?

 

Não sabes… sabes que nada está bem…

Não pode ser… tem de estar em ti…

Retira este cancro que te atraiçoa!

Sai de ti! Purga o teu mal!

 

Nada funciona… nada está como devia…

Há o caos… nada é controlado…

A desorientação é incrível…

Sentes náuseas e vómitos…

 

Quem tem a resposta?

Quem te diz o que fazer?

Queres salvar o que é possível…

Queres sair do meio do mar…

 

Não queres magoar ninguém…

Nunca quiseste. Inocente foi a tua conquista.

Ainda é possível! Podes mudar…

Não há tempo… e nada funciona… não funcionas…

 

Salvas os pratos… aquilo que não interessa…

Mas não sabes o que fazes… a cegueira impede-te.

Nem os ratos vão sair do teu porão!

Morrem secos no fundo de um esgoto!

 

Quando vês, já não há retorno!

Tudo é imperfeito e torto…

Nunca pensaste alguma vez estar assim.

Mas estás. Tudo está morto! Mataste!

 

Que fazes? Que vais agora fazer?

Que palavras tens tu a dizer?

Segues ou queres seguir a tua vida…

Morrer não é solução…

 

Queres que tudo volte atrás…

Não é possível. As palavras não se desdizem,

As acções não se desfazem,

E o amor não se desama

 

Tentas erguer a tua cabeça.

Queres limpar o sangue…

Nada há sequer a limpar…

Não sabes mais o que fazer e… …choras…

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 09:05
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De susy 4 a 4 de Julho de 2008 às 09:28
Nem sei como vim aqui parar, mas ainda bem que consegui.
Adorei descobrir o teu blog.
Quem me dera ter a tua facilidade de expressão.

Pois é aí que reside a minha maior frustração, o meu "problema de expressão"...

Parabéns.
De Lagash a 4 de Julho de 2008 às 12:04
Boa sorte com a procura de casa. Também gostei do teu blog. Não me parece que tenhas "bloqueios de escrita" ou "problemas de expressão".

Quem to disse está a enganou-te. Exprime-te! Por musica. Escrevendo! Fotos! tudo! Mas exprime-te sempre. Mesmo que seja só para ti (mas no blog).

Beijinhos e Felicidades
Mário L. Soares
De susy 4 a 4 de Julho de 2008 às 14:04
Olá Mário, ninguém me disse tal coisa, sou apenas eu que sinto, e isso para mim é o suficiente para me deixar triste...

Comentar post

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pausa

Hora Nostálgica #33 - Eve...

Acordar

Amor, pois que é palavra ...

Sol

Perdoa-me

Hora Nostálgica #32 - Boh...

Morte

Futuro

Bebido o luar

A meu favor

Viverei

Hora Nostálgica # 31 - Dr...

Reveses

Momentos etéreos em conte...

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds