Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

Shivers

 

(foto retirada da internet - desconheço o autor - alterações ao original de minha autoria) 

 

Bushes quiver

where shadows lean,

and not a sliver

of moon is seen.

 

Near the river

some goblins (green)

with a witch in front

and a ghost in between

 

Make me sh..i..vvvver,

but I am keen

about the shivers

of Halloween.

 

Aileen Fisher

 

publicado por Lagash às 16:12
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

Sou um palhaço pobre

 

 

(foto de Buster Keaton retirada da internet) 

 

Sou um palhaço pobre

De alma e coração

Salto

Tropeço

Arremesso

Como à mão

Faço mil diabruras sem ter onde cair

 

E mesmo quando salto...

E mesmo se tropeço...

De que vale lamentar meu coração a partir?

 

Sou um palhaço pobre!

Só me importa o teu sorrir!

 

Buster Keaton

 

publicado por Lagash às 16:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Love Of My Life

 

 

 

Love of my life - you've hurt me

You've broken my heart and now you leave me

Love of my life can't you see

Bring it back, bring it back

Don't take it away from me

Because you don't know -

What it means to me

 

Love of my life - don't leave me

You've stolen my love and now desert me

Love of my life can't you see

Bring it back, bring it back

Don't take it away from me

Because you don't know -

What it means to me

 

You will remember -

When this is blown over

And everything's all by the way -

When I grow older

I will be there at your side to remind you

How I still love you - I still love you

 

Hurry back, hurry back

Please bring it back home to me

Because you don't know

What it means to me

 

Love of my life

Love of my life...

Oooh, oooh...

 

Queen 

publicado por Lagash às 16:14
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

Do cimo do meu trono

 

(foto de Glacus M. Arantes)

 

 

Horas de lânguida pasmaceira,

Olhando o infinito do cimo de um trono

Rei de um reino pequeno e meu

Silêncio nas planícies e montes

 

De meu sitio tudo o que vejo me pertence

Tenho-o na mão e toco…

Estou oco, mas sinto, leve, mas vejo…

Bato com a mão na barriga minha e digo: Eu!

 

Nada tenho na verdade! Nada!

Não o posso ter porque é sem posse

Que se tem e se possui com vaidade

E sendo olhada, posso ter um pouco, mas sem a ter roubada…

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:25
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

Everybody’s fool

 

 

Perfect by nature,

Icons of self indulgence,

Just what we all need,

More lies about a world that...

 

Never was and never will be ,

Have you no shame don’t you see me,

You know you've got everybody fooled,

 

Look here she comes now,

bow down and stare in wonder,

Oh how we love you,

no flaws when you're pretending

but now I know she...

 

Never was and never will be,

You don't know how you've betrayed me,

And somehow you've got everybody fooled.

 

Without the mask where will you hide?

Can't find yourself lost in your lies.

 

I know the truth now,

I know who you are,

And i don't love you anymore,

 

It never was and never will be,

You don't know how you've betrayed me,

And somehow you've got everybody fooled.

 

It never was and never will be,

You're not real and you can't save me,

And somehow now you're everybody's fool.

 

Evanescence

 

publicado por Lagash às 16:13
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 26 de Outubro de 2008

Manhãs frias

 

(foto de Rui Luz) 

 

Pedi-lhe por favor para que me abraçasse e apertasse o meu corpo… sentia o frio a correr pelas costas. Sinto ainda o que sentia nessa hora de gelo. O escuro das manhãs com sabores estranhos de bocas. Olhos de ramelas ensonados e sem acção…

Vontade de estar para sempre num abraço seguro. Viver impossível a dois o que apenas se pode a um. Somos dois… dois corpos, quatro braços, um abraço, um beijo, uma manhã com sono, que não pode acabar… mas é assim…

Acabam os beijos, os abraços quentes, as manhãs frias, o sono e vem o verão, uma outra luz… mas saudade…

 

Mário L. Soares 

publicado por Lagash às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 25 de Outubro de 2008

O Mar não conhece o Mar

 

(foto retirada da internet - deconheço o autor) 

 

o mar não conhece as profundidades

nenhum azul nem conhece as suas ondas

o mar não é soberbo nem

manso nem amargo

não conhece o sabor do vento nem da espuma

o mar não vê nenhum sol

nem terra nem seixos

O mar não ama o céu

nem a lua

o mar não se conhece

 

Eva Christina Zeller

(Tradução de Maria Teresa Dias Furtado)

 

publicado por Lagash às 16:08
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

Há Dias

 

(foto retirada da internet - desconheço o autor) 

 

Há dias em que julgamos

que todo o lixo do mundo

nos cai em cima

depois ao chegarmos à varanda avistamos

as crianças correndo no molhe

enquanto cantam

não lhes sei o nome

uma ou outra parece-me comigo

quero eu dizer :

com o que fui

quando cheguei a ser luminosa

presença da graça

ou da alegria

um sorriso abre-se então

num verão antigo

e dura

dura ainda.

 

Eugénio de Andrade

 

publicado por Lagash às 16:01
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

O que desejei às vezes

 

(foto retirada da internet - desconheço o autor) 

 

O que desejei às vezes

Diante do teu olhar,

Diante da tua boca!

 

Quase que choro de pena

Medindo aquela ansiedade

Pela de hoje - que é tão pouca!

 

Tão pouca que nem existe!

 

De tudo quanto nós fomos,

Apenas sei que sou triste.

 

António Botto

 

publicado por Lagash às 16:23
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Huno

 

(Quadro de V.Checa - Invasion of the Huns into Italy) 

 

Ó huno todo poderoso!

Que não deixaste herança…

Morreste dormente mas audacioso,

Sem que tenhas demonstrado tua pujança.

 

Ergue alto essa espada de Marte!

Encandeia e cega os teus inimigos,

Com a sua lâmina ao sol e parte…

E rasga as carnes dos homens pelos umbigos!

 

Vai pelos campos, senhor de todo o mundo!

Corre a galope, na garupa do teu cavalo,

E voa sobre o bosque mais profundo…

Atravessa a estepe com a de Marte num halo!

 

Que te temam em Roma os romanos…

Que venças sobre eles e governes,

Que lhes dês o que deste ao teu mano.

Que às vidas o sopro retires e assassines.

 

O teu Deus eram deuses sem fim…

Para cada estado da tua passagem

Eras para os outros mesmo assim,

Flagelo de Deus em toda a margem.

 

Vive, vive para sempre o teu viver,

Passeaste pela vida em cemitérios

E morreste pela mão de uma mulher,

Ó homem que moveste grandes impérios,

 

Mário L. Soares

 

publicado por Lagash às 16:25
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

Nine Million Bicycles

 

 

There are nine million bicycles in Beijing
That's a fact,
It's a thing we can't deny
Like the fact that I will love you till I die.

We are twelve billion light
years from the edge,
That's a guess,
No-one can ever say it's true
But I know that I will always be with you.

I'm warmed by the fire of your love everyday
So don't call me a liar,
Just believe everything that I say

There are six billion people in the world
More or less
and it makes me feel quite small
But you're the one I love the most of all

We're high on the wire
With the world in our sight
And I'll never tire,
Of the love that you give me every night

There are nine million bicycles in Beijing
That's a fact,
It's a thing we can't deny
Like the fact that I will love you till I die

And there are nine million bicycles in Beijing
And you know that I will love you till I die!

 

Katie Melua

 

 
publicado por Lagash às 16:10
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

O último amor

 
(foto de Ruben Andrade "Deixa-me amar...")
 

Era o último amor. A casa fria,
os pés molhados no escuro chão.
Era o último amor e não sabia
esconder o rosto em tanta solidão.

Era o último amor. Quem advinha
o sabor pela escuridão?
Quem oferece frutos nessa neve?
Quem rasga com ternura o que foi verão?

Era o último amor, o mais perfeito
fulgor do que viveu sem as palavras.
Era o último amor, perfil desfeito
entre lumes e vozes passadas.

Era o último amor e não sabia
que os pés à terra nua oferecia.

 

Luis Filipe Castro Mendes

 

publicado por Lagash às 16:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 19 de Outubro de 2008

Everything

 

 

You're a falling star

You're the getaway car

You're the line in the sand

When I go to far

You're the swimming pool

On an august day

And you're the perfect thing to say

 

And you play it coy but it's kinda cute

Oh when you smile at me you know exactly what you do

Baby don't pretend that you don't know it's true

Cause you can see it when I look at you

 

And in this crazy life

And through these crazy times

It's you

It's you

You make me sing

You're every line

You're every word

You're everything

 

You're a carousel

You're a wishing well

And you light me up

When you ring my bell

You're a mystery

You're from outer space

You're every minute of my every day

 

And I can't believe that I'm your man

And I get to kiss you baby just because I can

Whatever comes our way

 

We'll see it through

And you know that's what our love can do

 

And in this crazy life

And through these crazy times

It's you

It's you

You make me sing

You're every line

You're every word

You're everything

 

And so la la la la

So la la la la

 

And in this crazy life

And through these crazy times

It's you

It's you

You make me sing

You're every line

You're every word

You're everything

 

You're every song

And I sing along

Cause you're my everything

 

Yeah, yeah

 

So la la la la

So la la la la

 

Michael Bublé

publicado por Lagash às 16:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 18 de Outubro de 2008

Amar dentro do peito...

 

(foto retirada da internet - desconheço o autor) 

 

Amar dentro do peito uma donzela;
Jurar-lhe pelos céus a fé mais pura;
Falar-lhe, conseguindo alta ventura,
Depois da meia-noite na janela:

Fazê-la vir abaixo, e com cautela
Sentir abrir a porta, que murmura;
Entrar pé ante pé, e com ternura
Apertá-la nos braços casta e bela:

Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos,
E a boca, com prazer o mais jucundo,
Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos:

Vê-la rendida enfim a Amor fecundo;
Ditoso levantar-lhe os brancos folhos;
É este o maior gosto que há no mundo.

 

Manuel Maria Barbosa du Bocage

 

publicado por Lagash às 16:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

I Get A Kick Out Of You

 

I get no kick from champagne
Mere alcohol doesn't thrill me at all
So tell me why should it be true
That I get a kick out of you

Some get their kicks from cocaine
I'm sure that if I took even one sniff
That would bore me terrifically too
That I get a kick out of you

I get a kick every time I see you standing there before me
I get a kick though it's clear to me that you obviously do not adore me

I get no kick in a plane
Flying too high with some gal in the sky
Is my idea of nothing to do
But I get a kick out of you

I get no kick from champagne
Mere alcohol doesn't thrill me at all
So tell me why should it be true
That I get a kick out of you

Some get their kicks from cocaine
I'm sure that if I took even one sniff
That would bore me terrifically too
That I get a kick out of you

I get a kick every time I see you standing there before me
I get a kick though it's clear to me that you obviously do not adore me

I get no kick in a plane
Flying too high with some gal in the sky
Is my idea of nothing to do
But I get a kick
She gives me the boot
I get a kick out of you

 

Jamie Cullum

 

publicado por Lagash às 16:14
link do post | comentar | favorito
|

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pausa

Hora Nostálgica #33 - Eve...

Acordar

Amor, pois que é palavra ...

Sol

Perdoa-me

Hora Nostálgica #32 - Boh...

Morte

Futuro

Bebido o luar

A meu favor

Viverei

Hora Nostálgica # 31 - Dr...

Reveses

Momentos etéreos em conte...

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds