Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009

Poema da auto-estrada

 

 

Voando vai para a praia

Leonor na estrada preta

Vai na brasa de lambreta.

 

Leva calções de pirata,

Vermelho de alizarina

modelando a coxa fina

de impaciente nervura.

Como guache lustroso,

amarelo de indantreno

blusinha de terileno

desfraldada na cintura.

 

Fuge, fuge, Leonoreta.

Vai na brasa de lambreta.

Agarrada ao companheiro

na volúpia da escapada

pincha no banco traseiro

em cada volta da estrada.

Grita de medo fingido,

que o receio não é com ela,

mas por amor e cautela

abraça-o pelo cintura.

Vai ditosa, e bem segura.

 

Como rasgão na paisagem

corta a lambreta afiada,

engole as bermas da estrada

e a rumorosa folhagem.

Urrando, estremece a terra,

bramir de rinoceronte,

enfia pelo horizonte

como um punhal que enterra.

Tudo foge à sua volta,

o céu, as nuvens, as casas,

e com os bramidos que solta

lembra um demónio com asas.

 

Na confusão dos sentidos

já nem percebe, Leonor,

se o que lhe chega aos ouvidos

são ecos de amor perdidos

se os rugidos do motor.

 

Fuge, fuge, Leonoreta

Vai na brasa de lambreta.

 

António Gedeão

 

publicado por Lagash às 16:17
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 10 de Novembro de 2009 às 01:43
Entendo perfeitamente o poema da D. Ermelinda. Longa vida para ela. \\\ Quanto à Susana Felix foi pena não ter aparecido à lição de História de sábado passado. Teria aprendido alguma coisinha e também teria dado ao pessoal alguma música. rs. Abraço - T´.
De Lagash a 10 de Novembro de 2009 às 10:04
Lição de história? ...

:-) qual?

De Zinha a 10 de Novembro de 2009 às 11:59
hoje tenho que demonstrar o meu desagrado. Um poeta que escreveu dos melhores poemas portugueses e tu... zás - a Leonoreta e a lambreta!? Péssima escolha!

Alguma Leonor que conheças que mereça tamanho despautério? Cheira-me a vingança!!

De Lagash a 10 de Novembro de 2009 às 12:13
What goes around comes around... hehehe...

Todas as "Leonores" e lambretas e todas as auto-estradas deste mundo, têm aquilo que merecem... um beijinho.

Comentar post

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pausa

Hora Nostálgica #33 - Eve...

Acordar

Amor, pois que é palavra ...

Sol

Perdoa-me

Hora Nostálgica #32 - Boh...

Morte

Futuro

Bebido o luar

A meu favor

Viverei

Hora Nostálgica # 31 - Dr...

Reveses

Momentos etéreos em conte...

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds