Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

Por muito tempo achei que a ausência é falta

 

 

Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.

Hoje não a lastimo.

Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,

que rio e danço e invento exclamações alegres,

porque a ausência, essa ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim.

 

Carlos Drummond de Andrade

 

publicado por Lagash às 16:02
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Palma a 12 de Setembro de 2009 às 12:59
Que belos poemas estes que escolheste, quer do Almeida G. quer do Drummond de Andrade. Gosto muito deste último e igualmente de uma poetisa brasileira de 1ª linha, também já falecida: Cecília Guimarães. Um bom fim de semana poético e com mais esperança na próxima segunda, terça e por aí fora rss. Abraço - Tó
De Lagash a 13 de Setembro de 2009 às 14:07
Bom fim de semana também para ti amigo e obrigado pela tua visita e por gostares dos poemas.

Não conhecia a poetisa Cecília Guimarães, mas agora, graças a ti, fiz uma pequena investigação e é verdade, tem trabalhos muito bonitos. Em breve terei aqui coisas dela, já que se enquadram perfeitamente neste me espaço pequenino. Obrigado.

Abraço
Mário L. Soares
De palma a 12 de Setembro de 2009 às 13:05
Mário quando quiseres actualizar a minha nova Louletania nos links : www.louletania.com. Obrigado.
De Lagash a 13 de Setembro de 2009 às 13:56
Caro amigo, apresento-te as minhas desculpas por ainda não ter colocado o novo link no blog quando abriste o novo espaço. São das tais coisas que pensamos que fazemos e afinal...

É a velhice... agora já está lá. Deixei ficar lá o antigo também para aqueles que queiram ver o que ficou para trás.

Abraço para ti e para os teus
Mário
De Caderno da Alma a 12 de Setembro de 2009 às 14:36
Este teu espaço está muito bonito. Parabéns. Abraço Jorge
De Lagash a 13 de Setembro de 2009 às 14:17
Obrigado Jorge,

Aproveitei para visitar o teu blog e posso dizer exactamente o mesmo - está muito bonito também.

Gostei dos teus poemas, que tal como os meus, são um espelho da alma que tanto no teu caso como no meu passamos para o nosso "caderno".

Obrigado pela tua visita
Mário L. Soares

Comentar post

Declaração

Declaro que a responsabilidade de todos os textos / poesia / prosa publicados é minha no respeitante à transcrição dos mesmos. Faço todos os possíveis para contactar o(s) autor(es) dos trabalhos a fim de autorizarem a publicação, na impossibilidade de o fazer, caso assim o entenda o autor ou representante legal deverá contactar-me a fim de que o mesmo seja retirado - o que será feito assim que receba a informação. Os trabalhos assinados "Mário L. Soares" são de minha autoria e estão protegidos com a lei dos direitos de autor vigente. Quanto às fotografias, todas, cujo autor não esteja identificado, são de "autor desconhecido" - caso surja o respectivo autor de alguma, queira por favor contactar-me para proceder à sua identificação e se for caso disso retirada do blog. Às restantes fotografias aplicarei o mesmo princípio dos trabalhos escritos. Obrigado. Mário L. Soares - lagash.blog@sapo.pt

mais sobre mim

procurar em Lagash

 

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pausa

Hora Nostálgica #33 - Eve...

Acordar

Amor, pois que é palavra ...

Sol

Perdoa-me

Hora Nostálgica #32 - Boh...

Morte

Futuro

Bebido o luar

A meu favor

Viverei

Hora Nostálgica # 31 - Dr...

Reveses

Momentos etéreos em conte...

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

links

Prémios

Users Online
free counters
blogs SAPO

subscrever feeds